Crónicas académicas - listagem

 

DO TEATRO ACADÉMICO DO SÉC. XIX AO TEATRO ACADÉMICO DE GIL VICENTE (14 Julho 2017)
História dos Teatros Académicos que existiram, bem como daqueles que não chegaram a existir, em paralelo com a história das sucessivas sedes da AAC e dos organismos que a precederam.

 

“PRAXE E TRADIÇÕES ACADÉMICAS”, DE ELÍSIO ESTANQUE. MAIS RIGOR SERIA BOM! (14 Dezembro 2016)
Onde se chama a atenção para o facto de estudantes que foram ícones da academia de antanho estarem a ser tratados com ligeireza (e desrespeito pela verdade histórica) no livro supra de Elísio Estanque, onde o Pantaleão, Pad Zé e Castelão de Almeida chegam a ser classificados como não-estudantes.


COIMBRA P’RA SER COIMBRA… (25 Março 2015)
Onde se fala dessa tríade harmoniosa, composta por guitarras, tricanas lindas e capas negras a adejar, para se concluir que poucas foram as décadas em que as três conviveram e pairaram simultaneamente sobre a cidade.

 

TEIXEIRA, UM FUTRICA ESTUDANTE! (10 Março 2015)
História simples do ex-engraxador e ardina que só se sentia bem no meio dos estudantes, os quais o acarinhavam como se fosse um dos seus. Qual era, afinal, o seu verdadeiro nome? E quem era o personagem cujo nome ele “herdou”?

 

DA ENTRUDADA AOS CORSOS DE PACOTILHA (15 Fevereiro 2015)
Onde se descrevem as desordens ocorridas em Coimbra no carnaval de 1854, que culminaram numa autêntica batalha entre estudantes e futricas, e na saída da cidade de uma coluna de estudantes que marchou sobre Lisboa para apresentar o seu protesto junto da rainha D. Maria II.


EUSÉBIO, VÍTOR CAMPOS, A BRIOSA E O “FORMIDÁVEL” (5 Janeiro 2015)
Onde, na passagem do primeiro aniversário sobre a morte de Eusébio, se evocam memórias da vida desportiva do grande jogador e de momentos em que se cruzou com a Briosa, com a Academia de Coimbra e com outras figuras queridas da cidade.


A VENDA DA PASTA. MODELO ESGOTADO OU INICIATIVA A RELANÇAR? (10 Maio 2014)
Como começou a “venda da pasta”? Como evoluiu? Porque foi perdendo importância? Como não deixar morrer e dar nova vida a este evento no contexto da actual Queima das Fitas?

“CAPAS NEGRAS”. UM RETRATO DESFOCADO DA REALIDADE (16 Abril 2014)
Onde se analisa o grau de adesão do filme à vida académica coimbrã dos anos 40 e se procuram as razões do descontentamento que a fita provocou em Coimbra, apesar de ter sido um êxito de bilheteira fora dela, quer em Portugal quer no estrangeiro.

“CAPAS NEGRAS”. AS VOLTAS QUE O MUNDO DÁ! (30 Março 2014)
Como é que um filme que foi repudiado pela academia coimbrã aquando da sua estreia em 1947 é apontado aos estudantes de hoje como se fosse um modelo, um “documento histórico”, das tradições académicas de Coimbra?

A VIOLÊNCIA NA PRAXE (2 Março 2014)
Como evoluíram as praxes ao longo dos séculos? Porque se tornaram as praxes de novo violentas? Que razões estão por detrás do poder que a sociedade académica detinha na Coimbra do século XX, antes da crise de 69?

À PROCURA DE UMA CHAVE (22 Outubro 2013)
Onde o autor perde a cabeça à procura de uma chave que andava perdida, a chave que lhe permite aceder aos três anos que passou na Real República dos Ly-S.O.S., no Porto.

A SEBENTA – UMA INSTITUIÇÃO COM SETE VIDAS!... (5 Novembro 2012)
Quem nunca estudou por uma sebenta? A que época remontam as suas origens? Porque lhe deram tal nome? Entre bendita e amaldiçoada, como sobreviveu a sebenta até aos nossos dias?

VOU ENCHER A BILHA E TRÁGO-A (15 Agosto 2012)
À entrada do Parque Manuel Braga, um painel de azulejos tem pintada uma bem conhecida quadra de António Nobre. Qual o significado desta quadra? Será apenas uma evocação do “Basófias” ou será algo mais do que isso?

QUEIMA DAS FITAS DE 2012. NOTAS À MARGEM DO CORTEJO (25 Junho 2012)
Como é que o cortejo da Queima de hoje é visto pelos estudantes de ontem? O que mudou? Como é que o cortejo e a Queima se adaptaram aos novos tempo? Uma análise feita in loco, retratada com sentido crítico e humor qb.

CASAMENTOS MARADOS. DO VEGETARIANO AO NUNES DE RANHADOS (12 Junho 2012)
“Cavalheiro maduro, com posição, procura menina prendada para fins matrimoniais” Como é que a partir daqui vários promitentes noivos caíram na esparrela de ir a Coimbra conhecer a menina? Histórias da primeira metade do século XX.

ANDAR À LEBRE (28 Novembro 2011)
No meu tempo de Coimbra, quando as Repúblicas atingiam o estado de penúria, a malta passava a “andar à lebre”. Que quer dizer ao certo esta expressão? E desde quando é utilizada?

… E ASSIM NACERAM AS REAIS REPÚBLICAS ( 18 Novembro 2011)
Quando e como nasceram as Repúblicas académicas de Coimbra? O que se esconde por detrás da designação bizarra e aparentemente contraditória de «Real República»? Evocação da Real República onde o autor viveu durante 3 anos.

DAS LATADAS À FESTA DAS LATAS (Parte II) ( 3 Novembro 2011)
Comparação entre as latadas dos anos 50/60 e as Festas das Latas de hoje. Dos cortejos de crítica social e política ao cortejo carnavalesco, do Teatro Avenida ao Queimódromo. Onde se evoca a “Revolta do Grelo” e se procura uma explicação para a compra do nabo.

DAS LATADAS À FESTA DAS LATAS (Parte I) (26 Outubro 2011)
Como surgiram as latadas? Como evoluíram do último quartel do Séc. XIX até aos anos 30 do Séc. XX? Teriam algo a ver com as latadas dos anos 50/60 e com as festas das latas de hoje? Ou apenas o nome tem parecenças?

CONJUNTOS ACADÉMICOS DA COIMBRA ANOS 60 ( 7 Outubro 2011)
Da Orquestra Ligeira do Orfeon ao Clube de Jazz e aos Scoubidous, dos Álamos aos Boys e Hi-Fi, passando pelos Babies, Lordes, Protões e Pops, uma década musical riquíssima, revivida na primeira pessoa.

PALITO MÉTRICO. CÓDIGO DA PRAXE OU MANUAL DE ACOLHIMENTO? (14 Setembro 2011)
Onde se faz uma leitura guiada através do maior best seller da literatura académica de todos os tempos. O que era a “macarrónea”? Porque são os Decretus académicos escritos em “latim macarrónico”? Quem deu o nome ao Calhabé?

DO “CANELÃO” AOS “PONTAPÉS DA PRAXE” (18 Agosto 2011)
Num qualquer clube de futebol mandam-se embora os jogadores com um chuto no traseiro. Mas, na Briosa, esse mimo é destinado às boas-vindas aos estreantes. Quais as origens desta bizarra tradição? Que terá ela a ver com uma praxe terminada há mais de um século?

MEMÓRIAS DO LICEU D. JOÃO III (20 Maio 2011)
Uma sátira saborosa ao Liceu D. João III dos anos 50, onde uma pulga andava enquanto os alunos saltavam e onde “saias para cima, calças para baixo” não era sinónimo de libertinagem, na época em que os putos faziam ginástica com “calções à Ramin”.

CAPA E BATINA. A FÉNIX RENASCE DAS CINZAS (3 Maio 2011)
Como evoluiu a capa e batina ao longo do Séc. XX? Que efeitos tiveram as crises académicas 1907 e de 1969? Sabia que até aos anos 30 havia quem usasse a capa e a batina conjuntamente com camisas, calças, coletes, gravatas ou sapatos de cor?

CAPA E BATINA. DA “LOBA” ECLESIÁSTICA À BATINA LAICA (14 Abril 2011)
Onde se conta como um traje de inspiração eclesiástica passou a traje laico e as influências que sobre o traje e seu uso tiveram a Carta D. Dinis, a reforma do Marquês de Pombal, o Liberalismo e o advento da República.

AS ORIGENS DA CAPA E BATINA (7 Abril 2011)
Desde quanto existe a capa e batina? E como era no começo? Sempre foi preta? E sempre houve capa? Que características se mantiveram até hoje e como aparecem plasmadas nos Códigos da Praxe dos Sécs. XX e XXI?

A CAPA E BATINA VOLTA À RIBALTA (25 Março 2011)
Tendo sido dada com extinta depois da crise académica de 69, a capa e batina renasceu das cinzas e espalhou-se pelo país. Mas a cultura do uso da capa e batina tem vindo a ser destronada pela incultura dos que dizem andar trajados… mesmo em Coimbra.

ZECA AFONSO, UMA BANDEIRA DE COIMBRA (23 Fevereiro 2011)
Onde se evoca o homem e o músico, destacando a sua ligação à Coimbra académica dos anos 50 e 60. O que teve Zeca a ver com a Briosa? O que têm as Cantigas do Maio a ver com o Sgt. Pepper's? Quando a Balada de Outono chorou o Outono da vida…

A TOMADA DA BASTILHA (2010.11.25)
O que foi a Tomada da Bastilha? Quem foram os conjurados? Parecenças com o 1 de Dez de 1640? Quais as consequências para a Academia de hoje? Como se consolidou o golpe ao longo de um dia e uma noite?

POR QUE É QUE A BRIOSA É BRIOSA (Parte III)? 2010.11.02)
Como é que o epíteto de Briosa, que significava apenas uma parte da academia, se colou à equipa de futebol da Académica? E porque não se colou a outras modalidades da AAC? E o que é que o pai do Pedro Abrunhosa ou o Eduardo Lourenço têm a ver com isto?

POR QUE É QUE A BRIOSA É BRIOSA (Parte II)? (2010.10.24)
Porque é que no final do Séc. XIX se chamava Briosa a uma parte da Academia? Que acontecimentos e que locais determinaram o aparecimento desse epíteto? E a propósito: qual foi a primeira sede da AAC?

POR QUE É QUE A BRIOSA É BRIOSA (Parte I)? (2010.10.17)
Porque se chama Briosa à equipa de futebol da Académica, hoje Académica-OAF? Que mistério é esse, tão bem escondido, que não aparece tratado em parte alguma? Que fontes nos darão pistas para o deslindar?

A FACE OCULTA DA LUA (2010.09.17)
Uma torre, uma mancha negra, três letras, um “quadrado tipo losango” à volta do conjunto… porquê uma ideia tão bizarra de emblema, que não tem paralelo em lado algum? Donde terá ela surgido?

A HISTÓRIA DE UM EMBLEMA (2010.09.05)
Quem desenhou o emblema da AAC, o emblema da Académica? Em que ano? Quanto ganhou por isso o “designer”. Por quanto se venderam os primeiros exemplares? Que outros emblemas tinha já havido anteriormente?

ALTA DE COIMBRA. DA ANTIGUIDADE AOS DIAS DE HOJE (2010.07.26)
Onde estão as origens de Coimbra? O que foi a Alta ao longo dos séculos? Quais os seus limites geográficos? O que a distinguia sociologicamente da Baixa? Como nasceu a capa e batina? E a cabra? E as trupes?

FOGUEIRAS DE S. JOÃO (2010.06.26)
Como eram as fogueiras de S. João do Séc.XIX e inícios do Séc. XX? O que se cantava e dançava? O que há de comum entre a canção Vira de Coimbra e as fogueiras? Como terminava a noite (ou o nascer do dia)?

AS (VERDADEIRAS) ORIGENS DA QUEIMA (2010.05.17)
Como surgiu a Queima das Fitas? Por que razão se queimam as fitas estreitas (grelo) e se soltam as fitas largas? Porque se queimavam dantes num penico? O que significa o dito antigo “ter urinado à Porta Férrea”?

O SEGREDO DA QUEIMA DAS FITAS (2010.05.04)
O que mudou na Queima das Fitas nos últimos 50 anos? E o que se manteve igual? Porque se multiplicaram as Queimas, como cogumelos, por esse país fora? Qual o segredo do seu êxito?

ESTUDANTES CONTRA FUTRICAS. UMA ESTÓRIA DE ÍNDIOS E COWBOYS? (2010.04.22)
Por que carga de água estudantes e futricas se guerrearam ao longo de séculos? Que territórios e que troféus disputavam? E que pancadaria era essa nos campos da Sereia e da Arregaça? E quem eram os bons e os maus desta fita?

TRICANAS, XAILES E CAPAS. TRANSFORMA-SE O AMADOR NA COUSA AMADA… (2010.04.07)
Será que as ditas “tricanas lindas” eram mesmo tão lindas? Como trajavam? Haverá semelhanças entre o traçar da capa do estudante e o traçar do xaile da tricana? E os rasgos nas capas? E as franjas dos xailes?

TRICANAS DE COIMBRA (2010.03.27)
Quem eram as tricanas de Coimbra? Como apareceram na vida dos estudantes? Porque desapareceram sem deixar rasto? Alguém tomou o seu lugar?

A MULHER E A UNIVERSIDADE. UM SÉCULO A ACELERAR (2010.03.14)
Quem foi a primeira mulher formada em Portugal? Quantas mulheres frequentaram a Universidade até ao séc. XX? A partir de quando se deu a grande aceleração?